segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Anti-social Virtual

Fato: pessoas que têm muitos amigos virtuais, têm poucos amigos de verdade. Quando têm.
Eu penso na infinidade de pessoas que vejo por aí com 800 amigos no orkut, 500 no facebook, 300 seguidores no twitter... e não fazem ideia de quem são aquelas pessoas. Foram adicionando. A coisa da popularidade. (E, aqui, eu lembro de Woody Allen dizendo que bambolês eram populares, epidemias de tifo eram populares. E concluindo com o clássico “quantidade não representa qualidade”) E, assim... desculpa, mas eu não vou acreditar que ninguém conhece 800 pessoas com as quais já conversou ao menos uma vez. E, mesmo assim... Conversou 20 minutos em 2004, que seja! Pq raios manter essa pessoa entre seus contatos?
Eu sou uma anti-social virtual. Não era, confesso! Afinal, a Internet já foi uma novidade e, naquela época (tiazona total), era bacana conhecer – entre muitas aspas – novos amigos – mais aspas ainda aqui. Mas, convenhamos, esse mundinho virtual já é so last year. Ele existe, já não é algo novo. E, mesmo passando boa parte da minha vida conectada, eu me tornei uma tremenda de uma anti-social. Com orgulho.
O orkut, por exemplo. Todas aquelas pessoas estão lá por um motivo. Se passa um certo tempo e a permanência deixa de fazer sentido, eu deleto, sem pena. E, não, não quero fazer mais amigos. Você é uma pessoa incrível do Acre e quer ser minha amiga? Problema seu. Não vou te adicionar. Acredite, existem pessoas tão legais quanto eu no Acre; procure-as aí. Você achou meu perfil legal? Problema seu; frankly, my dear, I don´t give a damn. E, não, não vou te adicionar; ainda mais pq meu perfil não tem absolutamente nada, nem uma mínima parte de quem eu sou. Ah, e você quer me adicionar pq me achou bonita? Boa notícia pra você: você enxerga bem. Má notícia: eu não adiciono pessoas pq elas enxergam bem. Que fique bem claro, eu adiciono quem eu conheço. Pessoas com quem eu mantenho contato. Só.
E o MSN? Quando eu penso no tempo que eu já perdi conversando com pessoas desconhecidas, nos meus 17/18 anos, fico até tensa. Meu deus! Já tive 630 contatos no MSN. Hoje tenho 80. Quando entro – o que é raro, graças! – converso com 5 ou 6 pessoas. Pq essas 80 pessoas são pessoas que eu conheço e – ohmygod! – como é mais legal sair com elas pra tomar sorvete (ou comer comida mexicana) e conversar. O MSN fica pra recados rápidos, combinar coisas... E, de novo, não vou adicionar ninguém que eu não conheça.
Aí veio o twitter. Alguém me explica pra que seguir alguém que eu não conheço? Que interesse eu tenho em saber o que alguém que eu não conheço come, qual filme essa pessoa assistiu ou, até mesmo, o que ela pensa da vida? Nenhum, certo? Aí aparecem essas pessoas do nada me seguindo e eu sou obrigada a pensar “oi?”. Pq raios elas me seguem? Ó, minha vida não é de seriado americano, eu não dou dicas arraso de nada e não sou super antenada com tendências de coisa alguma. Se você não me conhece, qual o interesse que você tem em mim? Isso é tão absurdamente sem sentido... Pior qdo as pessoas seguem só pra arranjar mais seguidores. AVISO: isso não funciona comigo, já saí da terceira série. Estou muito bem seguindo as dezenas – e só dezenas – de pessoas que conheço e um ou outro twitter de notícias ou vagas de emprego. É o que me interessa. Reth Butler way of life.
Que ninguém pense que eu sou rebeldinha, contra amizades virtuais e afins. Não mesmo! Eu só prefiro utilizar as tais redes sociais como um facilitador para estar sempre em contato com meus amigos de verdade. E, acreditem, eu fiz muitos amigos de verdade na Internet, pessoas pra quem conto minha vida, que se jogam no Darta comigo, que tomam tubaína comigo num sábado à noite... Amigos. De verdade. Que não moram no Acre, btw.
Sabe, o Rei jamais disse que queria ter 1 milhão de seguidores no twitter, 1 milhão de amigos no orkut. Ele disse só que queria ter 1 milhão de amigos. É o que eu quero. Aliás, prefiro até ter BEM menos de 1 milhão. Eu só quero ter amigos de verdade, não importa quantos sejam. Amigos com quem eu troque emails e converse no MSN, ok. Mas amigos que eu possa abraçar e conversar lado a lado e rir olhando nos olhos. É brega, mas é o que importa.

Um comentário:

Gisele disse...

Concordo. Essas redes sociais devem ser "pontes" entre os amigos e não os próprios caminhos!! Tem gente deixando de fazer o que a gente fazia, noite dos amigos ou meninas, que seja, pra fazer sala de chat no MSN...lamentável!! Nada como comer pizza, rir e chorar ao vivo...que saudade!!