sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Tia Coração

É engraçado como a gente convive com as pessoas e sabe tão pouco sobre elas. Um exemplo é a Tia Coração. O que eu sabia sobre ela: que ela era uma graça de pessoa, limpava o Macu e tinha uma energia muito boa. Só.

Meu primeiro contato com a Tia Coração foi na época da 1ª montagem, em meus tempos de Emilinha. Quando eu não estava em cena, meu tempo no camarim era dedicado a ajudar um colega de elenco que tinha muitas trocas de roupa. Como eu não tinha nenhuma troca, eu corria pro camarim separando calças e blusas, corria pelas coxias levando acessórios de cena, ajudava a vestir, arrumava o cabelo, deixava tudo pronto para a próxima troca. Depois da minha penúltima cena, eu saía desmanchando as tranças (na última cena eu entrava com o cabelo solto), ajudava em mais uma troca e corria pro banheiro pra encher um balde de água (morna, pq era em julho e tava um frio tenebroso já), que seria usado para mergulhar a cabeça desse colega antes da penúltima cena dele. E, então, lá fui eu correndo com o balde, entrei no banheiro e dei de cara com a tia. Lembro que pensei "Ai, meu deus! A tia me vendo vestida de criança, com essa maquiagem de boneca!" e nem me toquei que ela via coisa pior todos os dias, afinal, ela trabalhava em um teatro. Expliquei pra ela pq eu estava enchendo o balde, conversamos e voltei. Na segunda sessão, quando cheguei no banheiro, ela disse "Coração, tirei as coisas do chuveiro pra ficar mais fácil pra você". Era incrível, mas a tia tinha mais espírito de grupo que 80% do elenco da peça. Numa turma em que 5 ou 6 pessoas ajudavam e contribuíam, ela - que não tinha nada a ver - estava me ajudando.

Depois disso, em todas as sessões, eu tinha esse intervalo no banheiro, enchendo o balde e conversando com a tia. E isso me fazia bem; me fazia esquecer a bagunça irresponsável no camarim, as pessoas gritando enquanto a peça rolava. Tirava da minha cabeça até os "Não, roupa errada" e "Você demorou com a toalha", ditos de forma tão ríspida e que machucavam tanto alguém que estava ajudando por amizade e não por obrigação. Conversar com a tia, ser envolvida pela energia dela, me fazia voltar feliz pro camarim, pro palco, pra peça, pra vida.

Esse contato simples - oi, tchau, beijo, abraço, brincadeiras - continuou por meses e meses. Até um sábado desses.

Saindo de mais uma sessão de Dom Casmurro, quase 23h, encontrei a tia indo embora. Caminhamos juntas por cerca de 15 minutos. E conversamos. Na verdade, eu ouvi muito. Ainda bem!

Ela me chocou dizendo que tinha 72 anos (aparenta no máximo 50) e me contou da infância sofrida no Paraná, da falta de estudo, da avó que só falava espanhol, da morte do pai ainda novo, da força da mão criando quatro filhos sozinha, do trabalho na roça, em plantação de café, do pedido de casamento aos 12 anos (mas era cedo ainda e eles esperaram ela fazer 13), da vida atual...

Eu já estava maravilhada em realmente conhecer alguém que já fazia parte da minha vida há um certo tempo. E, então, ela contou que a irmã dela tinha se casado com o irmão do seu marido e que moravam todos juntos hoje - ela, quase completando 60 anos de casada - e viviam felizes. Com essa última informação, chegamos ao ponto onde nos separávamos e ela disse "A gente vive assim... É tudo simples, muito simples, mas muito bom. A vida é assim!". Ela nem sabia, mas estava me dando uma grande lição.

Pra terminar em grande estilo, depois do abraço aconchegante e do beijo mais carinhoso que recebi naquele mês, ela disse "Fica com Deus!". Nem precisava! Depois de tudo isso, eu tinha certeza de que Ele já estava ao meu lado...

5 comentários:

Kedma Franza disse...

Que lindo isso, Tally. Lindo, coração.

...Rafa.... disse...

eh incrivel como encontramos pessoas especiais assim, onde nunca apostaríamos encontrar alguem que de forma SIMPLES pudesse significar tanto...lindo texto...saudades

Blower's Daughter disse...

Querida, vc é mesmo especial! Que texto lindooo! Ameeei!!!
Eu adoro a Tia Coração, ela é um amor e foi mto bom saber mais sobre ela através das suas palavras!
Te adorooo!
Bjokinhas!^^

Sentir disse...

Que doce. Acho que a felicidade te dá vida.

ricordo disse...

...e sem perceber escreveu tudo aquilo e esqueceu de assinar.... Sobrinha Coração.