quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Porto


Vejo, ao longe, um porto,
Seguro para atracar.
Decido que é um bom lugar
E para lá vou navegar.

Sofro a fúria de Netuno,
Deus de todo o oceano.
Tento enganá-lo,
Mas ele é soberano.

Faço tudo para contornar
Os obstáculos por ele colocados,
Mas, que surpresa!
Os perigos são aumentados.

Recomeço minha batalha,
Não paro de lutar...
Porto, tenha paciência,
Um dia irei lhe alcançar!

2 comentários:

Leco Vilela disse...

"Portos só servem para descarregar, o resto é mar." ... é a última frase do texto que eu escrevi 'Em mar aberto'.

O Hipócrita disse...

Lindo demais!