quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

carta aberta de uma rosa



essa carta não é endereçada a ninguém. sem destinatário. ou talvez seja uma carta pra mim. ou talvez seja uma carta pra humanidade. (ou talvez seja uma carta - outra - pra única pessoa que eu conheço, nessa vida de rosa, plantada no b612).

olha, é 2014. as pessoas fazem resoluções quando o ano muda. promessas, decisões. as rosas também fazem. e a minha resolução é não pedir mais desculpas por ser quem eu sou. qual é a coerência disso? é como se eu tivesse 1,05m e você me pedisse pra pegar algo que está a 2,50m de altura e eu pedisse desculpas por não conseguir. você não pode pedir desculpas por ser anão, entende?  você nasceu assim, que culpa você tem pra precisar se des-culpar?

eu nasci uma rosa. e eu não posso deixar de sê-la. e nem pedir desculpas por isso.

analisando 2013, tenho a sensação de que passei o ano pedindo desculpas por ser quem sou. "desculpa, eu errei", "desculpa, eu não deveria ser assim", "desculpa, eu não devia ter agido assim", "desculpa, eu não devia ter pensado isso", "desculpa, eu não devia ter me sentido assim"... devia, sim! pois essas ações, pensamentos, sentimentos, são o que eu sou. eu invento, eu suponho e acredito, eu me sinto excluída, eu me sinto trocada, eu quero ser única...e eu nasci assim, inventando, supondo, sentindo, querendo. é tudo parte do pacote. parte de quem eu sou.

uma vez eu ouvi: "você é chata, mas você não tem que mudar, pq você já era assim quando eu te conheci e eu te amei mesmo assim." (então, pq você exige que eu mude, sempre, como condição pra que nossa amizade exista? pq você não aceita que eu seja como sou? pq você age como se não gostasse mais de quem eu sou?) eu não quero mais pedir desculpas por ser chata! por ser eu!

sabe, existem muitos que não me pedem (induzem?) mudanças. existem passarinhos e margaridas que aceitam a minha chatice e fazem com que eu me sinta única.

uma vez eu ouvi "quando a gente gosta de alguém, quer estar junto, faz de tudo pra ter um tempo junto". eu não vou pedir desculpas por querer estar junto de quem eu gosto. (e nem por entender que o "não fazer de tudo" implica em "não gostar")

sabe, eu sou única. eu sei que sou. e não vou pedir desculpas por querer ser tratada como tal, por exigir valor.

e não vou mais me esforçar pra mudar quem eu sou pra manter perto quem não se preocupa em ceder, em se aproximar da fronteira. quem diz "mas eu não me comporto assim pq não é importante pra mim". "pra mim". (é sempre sobre você, é sempre sobre eu pedindo desculpas por querer o que é importante pra mim e aceitando o que é importante pra você e deixando que isso paute nossa amizade. qual a coerência de você me dizer que eu tenho que fazer coisas por mim, quando é o primeiro a me impedir nisso?)

eu sou uma rosa. alguns gostam de rosas, alguns não. alguns deixam de gostar, com o tempo. nada disso muda quem eu sou. e eu não tenho que me desculpar por isso.

nós sempre teremos o b612...

rosa